Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
comentários
qual das paginas vocês gostaram? e interessante?
Maquiagem para pele moren
alma de mulher
moda mulhe
intimidade femanina
tudo sobre sexo
dicas 30 beijos do kama s
6 DICAS PARA TER A VIDA A
dicas e cuidados com seus
Ver Resultados

Rating: 2.7/5 (1210 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



amigos-vale ouro <div data-mvc-banner="sky-wide"></div><script type="text/javascript"> (function(storeName) { var b = document.createElement('script'); b.type = 'text/javascript'; b.async = true; b.src = 'https://www.magazinevoce.com.br/js/banner.js?store='+ storeName; var s = document.getElementsByTagName('script')[0]; s.parentNode.insertBefore(b, s); })('luxmais'); </script>

 

 

 

 

Para conseguir a amizade de uma pessoa digna é preciso desenvolvermos em nós mesmos as qualidades que naquela admiramos.

Sócrates

A verdadeira amizade é aquela que nos permite falar, ao amigo, de todos os seus defeitos e de todas as nossas qualidades.

Millôr Fernandes

No final, não nos lembraremos das palavras dos nossos inimigos, mas do silêncio dos nossos amigos.

Martin Luther King" alt="" width="58" height="64" />

curte tambem a minha pagina no face

https://www.facebook.com/pages/Amigo-Que-Nos-Aplaude-E-Nos-ignora/234416906758945?ref=bookmarks


Fetiche
Fetiche

Fetiche

 

Objeto animado ou inanimado, natural ou feito pelo homem, ao qual se atribui poder sobrenatural ou mágico. É a primeira definição que aparece no dicionário para o substantivo masculino "fetiche". Palavra de origem francesa - fétiche, que em português vem de feitiço e do latim facticius "artificial, fictício" - e que nem sempre está relacionada ao sexo. O sentido é amplo, tendo fundamentos teóricos não só passando pela história, como também pela psicologia e sociologia. No entanto, no geral, a primeira definição que, realmente, costuma interessar à maioria das pessoas seria: situação, objeto ou parte do corpo que estimule o desejo sexual.

"Eu não posso ver um homem de peito nu na rua. Controlo meus olhinhos", é o que conta a produtora de moda Paula Mescolin, 30 anos. Casada há sete anos, ela não esconde seus fetiches do marido e diz também conhecer todos os dele. "Ele adora calcinha fio dental! No começo não gostava, mas despertou para isso com o tempo", revela. Segundo Paula, os dois estão sempre inovando para que a relação não caia na rotina. E o mais importante: estão sempre conversando. "O diálogo também pode ser erotizante, picante...".

“É mais uma questão de moda. Na época da Tiazinha foi uma febre, muito até por vontade dos homens. Eles não têm criatividade”

Para a Paula, o problema é que muitos homens não sabem pedir para a parceira o que querem na cama. "Eles são desajeitados. O cara não percebe que se ele tiver um charme ao propor algo novo, o sexo vai acontecer do jeito que ele deseja. Mas tem que ter uma bossa para conseguir isso", comenta Paula, que, mais do que satisfeita com seu relacionamento, jura atender a todos os fetiches do marido, assim como provocar outros. "Quando saímos, e ele sabe que estou sem calcinha... Pronto! Fica maluco! Da mesma forma uma lingerie, um strip-tease e um salto já fizeram um bom efeito", diz. Transas em lugares inusitados também fazem parte do cardápio do casal.

E, como o marido da Paula, outros homens parecem se ligar em um salto alto ou até mesmo em uma bela calcinha. "Uma lingerie tem um efeito muito mais devastador do que um biquíni", afirma Ciro Prates, engenheiro de computação, 25 anos. Segundo ele, é mais fácil lembrar da calcinha que a mulher estava do que a roupa em si. Ainda mais se for uma micro, vermelha e quase transparente. "Só não deve ser legal com brilhantes ou com pedrinhas. Podem arranhar". Com certeza, uma mulher ao ler esse comentário vai pensar na mesma hora Ele é uma exceção. Homem não repara em lingerie. O que importa para o cara é tirar a calcinha. Será? Tem gente que garante que a história é bem diferente. "Isso é cisma de mulher. Homem não só gosta de uma lingerie ousada e bonita, como também compra muito para a sua parceira!", afirma Margot Bertholo, dona da Sex Shop Muito Prazer. Segundo ela, a mulher tem que perder a vergonha de usar uma calcinha pequena e bonita, mesmo se estiver um pouco fora do peso ou com celulite e estria. Ela garante: eles não enxergam defeito nenhum!"Tenho vontade de bater em mulher que usa calcinha rasgada, larga ou com elástico solto", brinca.

Na sua loja, o que sai muito são as fantasias, compradas por ambos os sexos. Com uma diferença: homens gostam mais de levar algo do tipo colegial ou doméstica. Já as mulheres preferem uma tigresa ou mulher-gato. "Acredito que mesmo de um modo inconsciente existe um desejo de dominação da relação". Já as máscaras, espartilhos saem menos. "É mais uma questão de moda. Na época da Tiazinha foi uma febre, muito até por vontade dos homens. Eles não têm criatividade". Segundo Margot, os desejos dos homens são baseados muito no que sai na mídia. "Eles vêm uma famosa com determinado adereço e imaginam a parceira na mesma situação".

Há nove anos à frente da loja, Margot é do tipo de dona que conversa com os clientes quando estes dão liberdade. E com isso, já escutou tudo quanto é tipo de fetiche. "Há pouco tempo ouvi uma nova. A mulher se ‘fantasia' de garota de programa, vai para a rua e combina com o parceiro de ele passar de carro". Margot conta que a mulher faz tudo o que o cara pede na noite e ainda recebe pelo "serviço". E ela tem um palpite para a existência dessa nova "moda": a Bebel, da novela da TV Globo.

E quando o fetiche é mais pesado?

"No mercado, quando a pessoa usa a palavra fetiche, geralmente, está falando em relação à sado-masoquismo", explica Margot. Cinto de castidade, mordaça, máscara, algemas que separam as pernas e os braços fazem parte do pacote. Mas ela afirma que esse tipo de cliente não é muito de conversa. "Chega, escolhe o que quer, paga e vai embora".

Taís*, advogada, já experimentou algo mais sado com um de seus parceiros e não curtiu muito. "Botar coleira, queimar a ponta do mamilo com o isqueiro e ficar andando de quatro não fazem a minha cabeça", revela. Ela diz que só se permitiu coisas que achou que poderiam dar tesão nela também. "O que eu não queria, eu não fiz". Uma dificuldade de muitas mulheres: negar o pedido do parceiro quando se está envolvida por puro e simples medo de perdê-lo. O que não aconteceu com Taís, que conta que o relacionamento durou até o momento em que, mesmo apaixonada pelo cara, começou a se questionar se o parceiro não se interessava por ela sem qualquer fantasia.

A advogada diz que experimentou um pouco de tudo na vida. Chegou até a sair como garota de programa do namorado, fetiche citado anteriormente por Margot. E, hoje, tem certeza de que o que gosta mesmo é o sexo a três, sendo duas mulheres e um homem. "Não é só homem que tem esse fetiche, não. Conheço muita mulher que adora". No entanto, ela deixa claro: "atualmente, sexo a três só verbal Afinal, o homem se excita mais pelo olhar e a mulher pelo ouvido. Realizar esse tipo de fetiche com alguém que você gosta muito pode ser complicado. A mulher mistura o sexo com o amor", explica. Taís lembra que transou com uma amiga e o homem com quem estava na época, e que a situação após o sexo não foi nada agradável. "Você fica com medo de perder o cara. Até porque você não vai transar com uma mulher feia. Ela tem que ser desejável, né?". E é por essa razão que ainda não realizou esse fetiche com seu atual companheiro, apesar da vontade.

"O fetiche é um detalhe do relacionamento. O que importa, realmente, é se você está cheirosa, com o pé bonito, as unhas bem pintadas e de bom-humor com a vida", destaca Taís. Ela se permite ter prazer de vários modos, o que não a deixa dependente de alguma prática. E isso é fundamental! "Quando a pessoa só se estimula de um jeito, deve procurar um psicólogo ou uma psicoterapeuta", alerta a educadora sexual Laura Muller. De acordo com Laura, o normal é já sentir prazer com o beijo na boca, um carinho no cabelo, um toque e ter o fetiche como uma forma a mais de se estimular.

E para a mulher que está envergonhada em realizar algum fetiche do parceiro ou mesmo o seu, ela aconselha: "Primeiro, se pergunte o que gosta de verdade. Respeite os seus limites e olhe para os seus próprios desejos. Depois, veja até onde pode ceder". Laura diz que a mulher deve ser firme e não ter medo de perder o parceiro por negar isto ou aquilo. E que a regra é básica: ir até ao ponto em que você não se sinta ferida fisicamente ou emocionalmente. "O sexo é uma eterna negociação", afirma. Ou seja, use seu poder de barganha. Só não perca tempo e prazer.

* o nome foi trocado a pedido da entrevistada.