Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
comentários
qual das paginas vocês gostaram? e interessante?
Maquiagem para pele moren
alma de mulher
moda mulhe
intimidade femanina
tudo sobre sexo
dicas 30 beijos do kama s
6 DICAS PARA TER A VIDA A
dicas e cuidados com seus
Ver Resultados

Rating: 2.7/5 (1202 votos)




ONLINE
3




Partilhe este Site...



amigos-vale ouro <div data-mvc-banner="sky-wide"></div><script type="text/javascript"> (function(storeName) { var b = document.createElement('script'); b.type = 'text/javascript'; b.async = true; b.src = 'https://www.magazinevoce.com.br/js/banner.js?store='+ storeName; var s = document.getElementsByTagName('script')[0]; s.parentNode.insertBefore(b, s); })('luxmais'); </script>

 

 

 

 

Para conseguir a amizade de uma pessoa digna é preciso desenvolvermos em nós mesmos as qualidades que naquela admiramos.

Sócrates

A verdadeira amizade é aquela que nos permite falar, ao amigo, de todos os seus defeitos e de todas as nossas qualidades.

Millôr Fernandes

No final, não nos lembraremos das palavras dos nossos inimigos, mas do silêncio dos nossos amigos.

Martin Luther King" alt="" width="58" height="64" />

curte tambem a minha pagina no face

https://www.facebook.com/pages/Amigo-Que-Nos-Aplaude-E-Nos-ignora/234416906758945?ref=bookmarks


Fetiches sórdidos que as mulheres não tem coragem
Fetiches sórdidos que as mulheres não tem coragem

[+18] Fetiches sórdidos que as mulheres não tem coragem de pedir

Mulheres são adoráveis criaturas. Frágeis princesinhas, bonecas delicadas, sonhadoras românticas cujas maiores fantasias sexuais envolvem fazer amor na praia, sob a luz do luar.

Fetoches sórdidos

Lembra como ela era toda delicadinha, meiguinha, menininha? Sabe o que ela queria de verdade? Só clicar na foto pra saber.

Não.

Nós todas, sem exceção, também nascemos e crescemos com os maus gostos e maus cheiros do corpo humano. Viemos também, já como item de fábrica, com os maus hábitos de higiene duvidosa. Umas mais, outras menos. Mas todas temos. Sim, a gente dorme com a mão dentro da calcinha quando tá frio e o nosso buraco não foi feito somente pra fazer sexo anal. Já dá pra tirar ideias disso tudo.

Quanto mais eu escrevo sobre sexo na internet, mais me surpreendo com os comentários femininos em cada post. São mulheres me perguntando como aprender a ejacular, falando que adoram receber porra na cara e fazem questão de se lambuzar e lamber tudinho. Algumas muitas com curiosidades sobre bissexualidade ou dupla penetração.

Engraçado ver como, em 2012, ainda temos como revelador um livro como o My Secret Garden, da escritora americana Nancy Friday, que escreveu, ainda na década de 70, esse clássico pioneiro da sexualidade feminina, livro que retrata justamente os anseios das mulheres sobre o sexo, e não só o estereótipo de feminilidade delicada e submissa, mesmo na cama.

Há muita mal-comida por aí e também mulheres que têm problemas em aceitar a própria sexualidade, ou que levam tabus da sociedade pra cama. Se você começar a se enroscar com uma mulher de sexualidade mal-resolvida, vai ter complicações por um bom tempo. Isso se o sexo não for uma prioridade pra você.

Sexo com outra

Fetiches sórdidos

Não, não é só um fetiche dos homens

Uma das coisas que mais vejo as mulheres comentando é o desejo de fazer sexo com outra mulher. A maioria delas camufla o desejo com a palavra “curiosidade”.

Tudo bem, eu posso fingir que não sei que você se excita vendo um pornô lésbico, que você não tem vontade de acariciar um belo par de seios, lambê-los e sentir na língua a textura, o macio da pele. Explorar o interior das coxas macias de outra mulher, fazê-la gemer no teu ouvido, sentir uma língua delicada e esperta no meio das pernas.

As modalidades variam: algumas têm vontade de fazer com o parceiro só olhando. Outras desejam o pai-de-todas-as-fantasias threesome, mas temem pelo ciúme.

Só uma coisa é certa: o número das bi-curiosas vem crescendo bastante de uns anos pra cá (eu ouvi um “hallellujah, irmãos”?). Uma variante menos comum é o desejo de fazer sexo com dois homens mas, geralmente, quando vejo uma mulher falando de um terceiro elemento numa transa, ela se refere a uma mulher.

Ejacular pela vagina

Fetiches sórdidos

Estamos em busca do orgasmo perfeito, claro

Outro desejo feminino recorrente é o de ejacular/squirting. Não tem como não gostar: o bagulho é bom pra caralho, o orgasmo pelo ponto G é de deixar as pernas bambas, sacudir o corpo todo, revirar os olhos e sair de órbita por uns bons 15 segundos. Todo homem devia ter a obrigação moral e cívica de aprender.

Até porque não há um que resista ao tesão de ver sua mulher, depois de uma gozada dessas, voltando pro Planeta Terra ofegante, completamente molhada e rindo que nem uma boba e sem força alguma. Nem todas chegam a verter líquidos, isso aí já exige bastante técnica e prática. Mas que elas querem muito, ah… isso querem.

Ainda bem que, ganhando orgasmos fortes assim, não há uma mulher sequer que queira parar de treinar e treinnar e treinar mais… até conseguir. Se não conseguir, pode ficar tranquilo que vai ter ainda mais treinos.

Negros, narigudos, japoneses e outros tipos específicos

Fetiches sórdidos

Porque um negão pode fazer uma mulher subir, literalmente, pela parede. Não porque ele é fodão, mas porque era só o que ela queria

Eu andava com uma menina que só trepava com japas. Em Goiás, são poucos os descendentes nipônicos e os poucos que moram aqui são, em sua maioria, muito feios ou muito velhos. Eu não entendia como a minha amiga, toda loira e deliciosa, ficava se enroscando com o Jaspion ou o sr. Miyagui. Certo dia, no meio de uma conversa sobre, claro, sexo, ela me revelou o que eu não havia percebido até então: “e você, que só sai com narigudos?”.

Já fiquei com tanto narigudo feio e desinteressante que eu não podia julgá-la por fazer o mesmo com os japoneses. Existem mulheres com atrações por um traço físico específico dos mais variados.

Eu já tive tara só por cabeludos. Tenho uma amiga, loira e classuda, que jura não haver uma foda melhor que com negão. Onde trabalho, há uma menina morre de tesão quando vê um homem de óculos.Uma vez, meu psicólogo disse que a tara que tenho por narizes grandes é por pura associação inconsciente ao falo masculino, já que o nariz e o pinto são as duas principais protuberâncias frontais de um homem, juntamente com o pomo-de-Adão, que eu também adoro quando saltado. Freud dá um sorrisinho e se aconchega no caixão.

Há todo um padrão no inconsciente coletivo de pequenos grupos de mulheres que podem, de quando em quando, variar de acordo com suas experiências, sexuais ou de vida mesmo. Afinal, tudo o que vivemos durante nosso cotidiano invariavelmente  influencia o nosso apetite sexual. Isso dá até pano pra manga do próximo fetiche.

Like a boss e empregadinho gostoso

Às vezes, a tara não é exatamente por um traço físico, mas sim pelo papel social desempenhado pelo homem. Quantas nós, quando estávamos no faculdade, nunca sonhamos em pegar o professor? Eu tenho um ex-namorado professor de ensino médio e o que não falta é cocotinha no pé dele. Mesmo ele não sendo exatamente um Brad Pitt, a posição de autoridade perante elas já basta pra causar o frisson. Transar com o chefe, com o diretor, muitas vezes não é exatamente por tesão na pessoa, mas sim no terno que ele veste, no escritório em que ele trabalha, na poltrona onde ele senta e no café e até no jeito como ele cobra relatório pras dez da manhã.

O oposto também existe, de mulheres que querem transar com quem lhes presta serviço. Quem nunca viu a famosa cena de filme pornô em que a dondoca seduz o motorista, ou o entregador de pizza? Entra aqui o oposto: o tesão em dominar um subalterno, em desviar a atenção de um inferior do que ele tem que fazer, só pra satisfazer os desejos da patroa ou cliente.

Fiquei muito abismada e curiosa quando uma amiga minha me contou que comprou uma mesa de jantar e , na maior cara de pau, ela me disse:

“Poxa, ele era todo fortinho. Simples de tudo, até meio jeca. Eu tava na seca e trepei com ele em cima da mesa recém-montada mesmo, que acabou quebrando. Sorte que ele tava lá pra montar de novo”.

Se lançassem a promoção “alô, dona de casa! Compre uma mesa e ganhe uma foda de bônus!”, aposto que ia vender muito bem.

Lugares públicos, ser pega, fazer sexo em locais proibidos

Fetiches sórdidos

"Ai... que delícia! Será que tem alguém olhando?"

A rapidinha em lugares públicos é um clássico ainda insuperável. Toda mulher tem um tesão especial em ser fodida com urgência, com a calcinha só de lado. É um momento de muita adrenalina e pouco raciocínio lógico. Paradoxalmente, trata-se de um dos momentos mais criativos do ser humano. As posicões geralmente são das mais “arranjadas” pro momento de pura transpiração, tanto física quanto mental.

Admito que sou fã da modalidade. O tesão fica lá em cima rapidinho, não tem muito o que pensar – só agir – com toda aquela pressa frenética, deliciosa. É simplesmente fantástico!

Entretanto, o crème de la crème deixei agora pro final (deixem qualquer trocadilho de lado). Antes de escrever esse post, perguntei para muitas delicinhas o que elas mais desejavam na cama.

Fetiches sórdidos

Tem que pegar com força, dominar com força, foder com força e gozar com força, muita força

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados. Por exemplo: não é toda mulher que tem essa fantasia. Na verdade, muito mais que 50% não sente um mínimo de tesão com isso. Se ela não for uma danadinha genuína, pode se sentir desconfortável e isso é o que menos queremos.

Pra sacar qual mulher toparia essa modalidade é fácil: basta observar se ela curte um lance mais agressivo. Se ela não reclama de tapas, se a submissão sexual é instintiva e bem vinda. Outro cuidado importante é estabelecer uma safeword. Isso nada mais é do que uma palavra fora do contexto sexual pra você saber se ela realmente tá afim do que você está fazendo. Num estupro consentido, é normal a menina gritar “não, não, por favor, não me come!”, mas isso é só parte do teatro. Na verdade o que ela mais quer é ser comida com brutalidade.

Antes do ato, deve se estabelecer uma palavra neutra, tipo “tango” ou “mostarda” ou qualquer coisa assim. Quando o “não” dela for pra valer, basta ela dizer a safeword e, com isso, o rapaz é obrigado a parar imediatamente o que estiver fazendo. Aprendi isso num clube de sadomasoquismoe me é muito útil até hoje. Pra quem interessou, mesmo que minimamente, há uma sessão de vídeos no site do Brazzers. Recomendo uma olhada sem nenhum tipo de conceitos formados. Olhe somente pela experiência.

Nota dos editores: sabemos que falar dessa realidade pode causar problemas, entãopedimos sua ajuda se você souber como falar disso de outro modo.

Princesinhas, sim. Safadinhas também

Sim, nós somos princesinhas e devemos ser tratadas como tal. A gente adora um chamego, uma mensagem dengosa, flores, mimos, tatibitate ao telefone.

Com a mesma intensidade, a gente adora uma putaria, foder pelo puro prazer de sentir prazer, de ter o tesão elevado a enésima potência. Somos delicadas, mas a gente aguenta um baita tranco. vai por mim.

“Ah… mas é uma mulher exata,ente assim que eu quero!”. Fácil, amigão. Basta dar carinho e, na mesma medida, liberdade e confiança pra mulher que você já tem. Só isso já va te garantir as fodas mais incríveis, todas pedidas – acredite – por elas.

Será que podia ser melhor?